Entender melhor sobre como funciona a indústria têxtil está mais na moda do que as roupas, sapatos e acessórios. Pensando nisso, trouxemos duas expressões que, se você é antenado no mundo da moda, já deve ter ouvido falar: fast fashion e slow fashion

É possível compreender o sentido desses termos em um primeiro momento, mas entender os conceitos de ambos é fundamental para o avanço da economia colaborativa no mundo da moda. 

Saiba por que adotar a slow fashion. | Foto: Freepik.

Ao longo da matéria, você verá o que é fast fashion, o que é slow fashion, quais as principais diferenças entre os dois conceitos fashions e quais os motivos para adotar o slow fashion. Continue a leitura!

O que é fast fashion?

Fast fashion é a produção rápida e em larga escala das roupas. Uma coleção de moda, por exemplo, é lançada e substituída toda semana. Além disso, o consumo e o descarte de peças fast fashion são bem mais rápidos.

Essas roupas possuem preços acessíveis e garantem que a tendência do momento chegue mais rápido para atingir cada vez mais um número maior de consumidores. 

Esse tipo de produção teve início no fim do século XVIII, logo depois da invenção das máquinas de costura. Antes disso, a produção das roupas eram realizadas manualmente, o que fazia sua confecção demorar mais e o preço aumentar.

Algumas marcas da Europa, como a Zara, Topshop e H&M foram responsáveis pelo surgimento do fast fashion, nos anos 90. Portanto, essas empresas produziam peças semelhantes às da alta costura, a diferença é que essas tinham um preço bem mais em conta.

O que é slow fashion?

O slow fashion surgiu com a finalidade de minimizar todos os danos causados diariamente pelas práticas da indústria do fast fashion. Traduzindo o termo para “moda lenta”, seu conceito abrange um consumo mais consciente e a prática da economia circular.

O conceito está relacionado com o ponto final da roupa, que não te atende mais: ela não vai para o  lixo, mas vai para um novo consumidor. O ciclo de vida dos produtos na slow fashion são fatores relevantes para essa moda.

Com a visibilidade do slow fashion, a indústria obteve muitas percepções sobre a sustentabilidade no mundo da moda.

Daí surge a importância do processo do consumo consciente, como por exemplo a valorização do mercado local, utilização de tecidos eco-friendly e um sistema de produção mais transparente, responsável por informar ao consumidor todo o processo de produção de uma determinada roupa.

No mundo digital, esse movimento ganhou cada vez mais forças com a incentivação do slow fashion desde a produção até a prática de aluguéis de peças de roupas, tudo isso com a intenção de apresentar que o descarte de roupas não é a única saída.

Saiba as diferenças de fast fashion e slow fashion | Foto: freepik

5 diferenças entre fast fashion e slow fashion

Agora que você já entendeu os conceitos de fast fashion e slow fashion, saiba como identificar cama uma e quais são as principais diferenças entre as duas fashions:

1. Produção

O movimento fast fashion produz em massa e com rapidez. Já o movimento slow fashion atua de forma mais lenta, com peças de vida mais úteis e longas.

2. Da produção à invenção

As diferenças entre o fast fashion e o slow fashion estão presentes desde o processo de produção das peças de roupas até a forma de como as coleções são criadas.

3. Quantidade de coleções

No movimento fast fashion as coleções e subcoleções são diversas e lançadas ao decorrer do ano. Já no slow fashion, são desenvolvidas apenas pequenas coleções.

4. Humanização da confecção

No movimento slow fashion há uma maior preocupação com esse fator, isto é, a marca abre o acesso de fotos e vídeos aos consumidores de quem produziu determinada peça.

5. Evidências das modas

Entre os grupos de fast fashion, as evidências são:

  • moda plus size: onde as pessoas falam sobre o quão difícil é encontrar peças plus size em lojas de departamento;
  • underwear: sobre como as roupas íntimas são mais baratas em lojas fast fashion;
  • beachwear: onde os usuários anunciam sobre a qualidade e variedade das roupas de praia nas lojas de departamento.

No slow fashion, as evidências são:

  • beachwear, pessoas em busca de marcas com tecidos sustentáveis ​​e de alta qualidade;
  • moda plus size: discussões sobre marcas que promovem a positividade do corpo – termo que trata dos aspectos positivos do seu corpo – o que por muito tempo isso foi considerado “não convencional”;
  • moda LGBTQI+: onde as marcas possuem moda generificada e unissex, além de algumas roupas como camisas e trench coats.

Por que adotar slow fashion?

Depois de compreender os conceitos e as diferenças entre  fast fashion e slow fashion, saiba quais são os motivos para adotar a moda slow fashion:

Desafio ao embasamento da moda com foco na imagem

O slow fashion desafia a moda para a reorientação da qualidade dos produtos de forma em que sua confecção considere aspectos integrais e não somente estéticos.

A moda é uma escolha, não um mandato

Com a atuação das indústrias globalizadas que padronizam a moda, a escolha por produtos diferentes é inviabilizada. No entanto, o slow fashion é uma alternativa em que é possível encontrar mais liberdade ao escolher algum produto.

Atuação colaborativa de trabalho

O movimento slow fashion proporciona uma formação mais cooperativa, o que promove a colaboração entre todos os agentes da área têxtil, como forma de montar um comércio mais justo, inclusive para as mulheres.

Criação social responsável e distribuição da economia

A produção de peças de roupas é capaz de valorizar os recursos locais, evitar intermediários de distribuição, eliminar hierarquias entre estilistas, produtores e consumidores e possibilitar melhor distribuição econômica entre os agentes. 

Pelo fato do slow fashion não se importar com a rápida produção em massa, é possível que os preços sejam mais justos, internalizando custos sociais e ecológicos da produção. Além de valorizar os produtores, isso evita o descarte rápido das roupas.

Conheça a uMode

A uMode é uma empresa de inovação 100% focada em moda. É um misto de engenheiros, inovadores, Estilistas, Cientistas de Dados, Growth Hackers,  Executivos de Moda, que ajudam marcas de moda a descomplicar seus dados diminuindo o tempo de desenvolvimento , ruptura e sobras , maximizando os resultados da sua empresa.

Tudo isso por meio de plataformas e metodologias próprias que auxiliam desde o planejamento da coleção até o sellout.

Com o uFlow, você poderá integrar os setores de produção, desde a concepção do conceito da coleção, passando pela explosão do mix da coleção, briefing para fornecedores, solicitação/aprovação de pilotos, até a peça Lacre!

Também integrará fornecedores, pessoas e departamentos envolvidos no processo, fichas técnicas únicas (pois é, abandone o excel), junto ao histórico completo dos produtos, ciclo de vida, alterações, prazos, cronogramas.

Ah, e para completar, assim que finaliza um produto a uMode se encarrega de cadastrá-lo no ERP via integração!

E tudo isso em tempo real e 100% online!
De maneira transparente, centralizada e fácil, a uFlow te ajuda a aumentar a produtividade e gestão da sua coleção. Clique aqui e saiba mais